quinta-feira, 26 de abril de 2018

Shinrin-Yoku, uma terapia anti-stress vinda da Natureza


Ultimamente os dias têm sido agitados, uma época mais stressante do que o habitual. Tem sido difícil desligar dos problemas. Por isso, o Shinrin-yoku, surgiu como uma lufada de ar fresco nas nossas vidas.

Mas o que é o Shinrin-yoku?
Ouvi
Ouvi falar desta expressão pela primeira vez no "Livro do Lykke" do Meik Wiking, um livro sobre os hábitos das pessoas mais felizes do mundo. Esta é uma expressão japonesa que, traduzindo à letra, significa «banho de floresta». O professor Yoshifumi Miyazaki da Universidade de Chiba no Japão, que estuda os efeitos da Natureza na redução do stress, usou esta expressão para nomear uma nova terapia que usa o poder terapêutico da Natureza para prevenir doenças associadas ao stress.


O Shinrin-yoku permite relaxar através da sincronização com a floresta, enquanto absorvemos as suas vistas, os cheiros e os seus sons.



O que se faz na prática?
Ouvi

A terapia de Shinrin-yoku, como vem referido na revista Prevenir deste mês, consiste em praticar "(...) qualquer actividade que envolva o contacto com a Natureza: caminhadas pela floresta, com pausas para se sentar e fazer respirações profundas, abraçar árvores, fazer ioga, meditação, alongamentos; piqueniques; observação nocturna do céu; contemplação de nuvens; interacção com a água; observação de cascatas; ou assistir a concertos de música na floresta."

E se não podermos ir mesmo para a floresta podemos passear num parque ou num jardim, fazer jardinagem, introduzir elementos da Natureza no nosso ambiente (nas varandas, no interior de casa, no escritório), perfumar o ambiente com aromas naturais, receber uma massagem com óleos essenciais, observar imagens e ouvir sons da Natureza.  

Quais os benefícios do Shinrin-yoku?
Ouvi

Dos estudos efectuados comprovou-se que o Shinrin-yoku tem os seguintes benefícios:
- recuperação da imunidade e mais resistência às doenças;
- maior relaxamento do corpo e da mente;
- melhoria da qualidade do sono;
- redução do stress e aumento da sensação de bem-estar;
- diminuição da pressão arterial;
- aumento da capacidade de concentração.



A nossa experiência 
Ouvi

Por cá temos optado pela prática de caminhadas na Natureza, normalmente após o jantar e ao fim-de-semana. Como levamos as crianças, nem sempre conseguimos meditar. Mas praticamos exercício físico, tiramos fotos (o que nos permite apreciar pequenos mas maravilhosos detalhes da Natureza) e simplesmente contemplamos a beleza dos locais, os sons, os cheiros.


Quando estou a realizar alguma tarefa doméstica, tenho também ouvido sons da Natureza através de um CD e do youtube. Tento incluir elementos Naturais cá em casa. E, sempre que posso, leio ou medito na minha varanda (mesmo que sejam só 5 minutos...).









Acredita, realmente faz a diferença. Permite-nos desanuviar e relaxar o corpo e a mente. Alcançar mais paz interior.



Aprofundar conhecimentos Ouvi
Justo hoje é publicado em Portugal o livro "Shinrin-yoku. A terapia japonesa dos banhos de floresta que melhora a sua saúde e bem-estar" de Yoshifumi Miyazaki (até estou parva com a coinciência! Fui pesquisar livros sobre o tema no site da Wook, e justo hoje é publicado um livro sobre o assunto!...). Encontrei um outro livro o "Shinrin-Yoku. A Arte Japonesa da Terapia da Floresta" de Qing Li. Talvez vá adquirir o primeiro, pois é do tal investigador que falei no início.

Apesar de ser uma noção de senso comum (de que estar em comunhão com a Natureza, é excelente para o corpo e para a mente), gosto sempre de conhecer o que a ciência estudou sobre o assunto.

Actividades organizadas em Portugal Ouvi
Quem diria! Em Portugal foi criado no ano passado a Shinrin-yoku Portugal, que desenvolve vários programas de imersão na floresta. Para quem gosta de actividades mais organizadas, pode ser interessante.

««»»

E para relaxares, mesmo sem saires de casa, deixo-te este vídeo.


Fotos: Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

terça-feira, 24 de abril de 2018

"Voltar à Terra" de Anabela Teixeira

Li este livro em Janeiro e sinto que já devia ter falado dele. É muito inspirador! O "Voltar à Terra" da Anabela Teixeira tem tudo a ver com o estilo de vida que estou a tentar adoptar.

A Anabela, como imagino que saibas, é atriz. Em 2011, na novela Rosa Fogo interpretou uma personagem que tinha cancro, papel que a marcou bastante e que a fez ter noção da quantidade de pessoas ao seu redor que enfrentavam esta doença. A par de leituras inspiradoras e das suas memórias de infância sobre como é positivo viver em comunhão com a Natureza, a Anabela começou a fazer uma verdadeira transformação na sua vida. Passou a introduzir produtos biológicos na alimentação, a fazer limpezas mais ecológicas (sem recurso a químicos), a comprar produtos bio e eco para o cuidado do corpo e do rosto, deixou de comer carne (mas ainda come peixe), investiu em estratégias que favorecem o bem-estar e introduziu uma série de práticas ecológicas no seu dia-a-dia. Este livro fala justamente disso.

Os temas principais do livro, estão descritos no índice abaixo.

Uma mostra dos temas abordados no livro.

A Anabela começa por nos propor um questionário ecológico baseado entre outras coisas nos nossos hábitos de alimentação, bem-estar e compras. É muito interessante para percebermos em que ponto estamos e, se o repetirmos algum tempo depois (ela sugere 2 anos), conseguiremos perceber a nossa evolução.

Passo agora a descrever os assuntos abordados em cada capítulo.

Alimentação
A autora fala da importância de uma alimentação biológica, de como construir uma despensa saudável e dá-nos uma série de dicas do seu nutricionista para nos mantermos saudáveis mesmo em ocasiões especiais (festas).

Receitas
Inclui algumas sugestões saudáveis (e diga-se de passagem, com um aspecto bem bonito) para: pequenos almoços; saladas, sopas e entradas; almoços e jantares; sobremesas e lanches. Inclui ainda: um plano detox, uma bebida pós-treino e o que levar num piquenique. 

Uma das receitas saudáveis partilhadas pela autora.

Bem-Estar
Neste capítulo fala-se de coisas como yoga (inclui descrições e fotos de várias posturas), de meditação e práticas de respiração, de corrida, de massagens e de algumas técnicas usadas nos SPA, dos tratamentos de beleza e tratamentos alternativos que a atriz experimentou, de relaxamento ao estilo hygge e ainda uma aula de maquilhagem (novamente com informações e fotos de cada passo).

Lazer amigo do ambiente
Neste ponto a Anabela fala de coisas como piqueniques, retiros, festivais e de vários lugares ecológicos para viver ou visitar (eco-aldeias, hotéis...). Confesso que achei este capítulo menos interessante, porque por exemplo se faz a descrição de vários hotéis (a mim bastava-me uma lista e pronto, mas é só a minha opinião pessoal).

Nas hortas 
São novamente feitas sugestões de várias quintas biológicas que podemos visitar (com mais descrições de cada uma...). Indicam-se também várias sugestões de passeios eco (como se vê na foto abaixo).

Sugestões de passeios ecológicos.

Ecologia no dia-a-dia
Já este capítulo, ao contrário dos dois anteriores, tenho pena que não tivesse sido mais desenvolvido. Achei muito sintético. De qualquer modo, aborda uma série de sugestões interessantes: ideias para reaproveitar, como poupar água, uso de painéis solares, compras bio e eco, limpezas e lavagem de roupa de forma ecológica. 

Lista de desejos
Aqui são descritos os objectivos pessoais da autora para um vida mais saudável e sustentável. São inspiradores para a nossa própria vida.

Pessoas inspiradoras e com ecoconsciência
Dá-nos indicações de vários blogues e descreve o que fazem uma série de pessoas inspiradoras.

Dicas preciosas
Aqui a Anabela tem uma lista de lugares que recomenda (desta vez sem descrições), para: comer saudável, comprar biológico e sem químicos, ficar e viver.

Lançamento do blog «Voltar à Terra»
Trata-se de um conjunto de fotos do lançamento do blog da autora.

Imagens lindíssimas e um texto inspirador.

Em suma, acho a forma de escrever da Anabela super-inspiradora. O livro está também recheado de imagens deslumbrantes. O que gostei menos já referi acima. Mas acho um livro interessante, principalmente para quem quer adoptar um estilo de vida mais saudável e ecológico.

Fotos: Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Facebook || Instagram

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Pensamento/Lema da semana #394


"(…) não há nada como ter um bom livro ao nosso lado, 
como um amigo que nos sussurra ao ouvido 
e nos incentiva a prosseguir." 
Anabela Teixeira

.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

terça-feira, 17 de abril de 2018

Como posso ser mais feliz?


Esta manhã (estou a escrever a um Sábado), pouco depois de acordar espreitei o Google Notícias. Por entre um ataque concertado entre os EUA, a França e o Reino Unido à Síria, a denúncia de que o grande incêndio do pinhal de Leiria havia sido planeada... o panorama geral era negativo. E esta é a norma. Todos os dias somos confrontados com más notícias, estados de espírito negativos e desesperança face ao futuro. No meio desde panorama, às vezes parece-nos difícil conseguirmos ser mais felizes num mundo tão louco. Mas será impossível? 

De vez em quando regresso à leitura do livro da Sonja Lyubomirsky. Esta investigadora, juntamente com K. Sheldon e D. Schkade referem que não podemos fazer nada em relação à influência genética, pois 50% da nossa felicidade depende dela. Alterações nas nossas circunstâncias de vida (país em que nascemos, se somos feios ou bonitos, ricos ou pobres…) também só afectam 10% da nossa felicidade. No entanto, 40% da possibilidade de sermos mais felizes está absolutamente nas nossas mãos. O segredo reside em melhorar a nossa forma de pensar, as nossas atitudes perante a vida e escolher as actividades certas para sermos mais felizes.

A verdade é que a escolha de ser mais feliz, depende muito de nós! Também é verdade que esta escolha nos traz muitos benefícios, bem como à sociedade em que vivemos. Sabias, por exemplo, que as pessoas mais felizes tendem a ter menores níveis de absentismo no trabalho? Ou que na globalidade, são menos agressivas com os outros? Por isso, todos temos a ganhar, se passarmos a agir em prol da nossa felicidade. 

Para além disso, a Psicologia Positiva tem realizado diversos estudos sobre o que torna as pessoas mais felizes. Sabe-se por isso, com razoável precisão, quais as estratégias que aumentam a felicidade humana. E esse é o caminho para também tu, seres mais feliz.

Partilho contigo 14 estratégias, que podes aplicar na tua vida. Mas não tens de fazer tudo. Começa com uma ou duas. Aquelas que te parecem mais adequadas à tua personalidade e estilo de vida. Mas assume a sua realização como um verdadeiro objectivo!

1 - Escolhe o optimismo

Começa por deixar de lado os queixumes (opta por dizer “estou bem”, em vez do típico “mais ou menos”). Tenta, activamente, ver o lado positivo de cada situação. Retira uma lição dos acontecimentos negativos e para a próxima faz melhor. Tem esperança no futuro. Ah! E assiste a menos noticiários, pois as boas notícias também existem, mas não são divulgadas com a mesma frequência (para equilibrar, de vez em quando espreita um site só de Boas Notícias). Se pretendes informação mais pormenorizada sobre este ponto, lê o post "Como ser mais Optimista".

2 – Modifica os teus hábitos de pensamento 
Existem padrões de pensamento que minam a tua felicidade. Um é ficares a ruminar em pensamentos negativos - opta por aceitar as coisas como são (já aconteceu e não podes mudar isso) e concentra-te na busca de soluções. Outro é o perfeccionismo, que te impede de saboreares os teus sucessos. Um último é a comparação negativa com os outros - opta comparares-te contigo mesmo/a, com o que evoluís-te até hoje. 

3 - Aumenta as tuas experiências de fluxo 

Estas são actividades que te apaixonam e absorvem de tal forma, que até te esqueces do tempo a passar. Escolhe o que funciona para ti. Pode ser ler um livro, praticar um desporto, pintar, fazer jardinagem... (comigo, o que resulta é aprender mais sobre «felicidade» 😉).

4 – Saboreia o presente 

Presta atenção aos pequenos prazeres do dia-a-dia, aprecia-os e repete-os sempre que possas. É no fundo trazeres para a tua vida, aquilo que os dinamarqueses chamam de hygge. Assiste ao pôr-do-sol, lê embrulhado/a numa mantinha, dá uma caminhada na praia, aprecia uma bebida quente (se for café... sente só o cheirinho!), etc.

5 – Compromete-te com objectivos
Quando tens esperança num futuro melhor, aumentas a tua felicidade. Mas não te fiques pelos sonhos! Coloca por escrito os teus objectivos e divide-os em pequenas tarefas diárias. O sucesso alcançado em cada tarefa, fará com que sintas que «é possível», que o futuro está nas tuas mãos. 

6 – Simplifica a tua vida 
Colocamos em causa a nossa felicidade ao tentarmos ter e fazer demasiado. Sabias por exemplo que ter objectos a mais aumenta em média, 40% do trabalho doméstico? Identifica o que é realmente importante e elimina o que só te rouba tempo (actividades, objectos, etc.). 

7 – Cuida das tuas relações 

Nutre os teus relacionamentos, investindo tempo e desfrutando dos mesmos. Não coloques o trabalho sempre em primeiro (isto significa não sair tarde e nem trazer trabalho para casa, por sistema). Se tiveres uma vida demasiado ocupada é fundamental incluíres na sua agenda actividades a realizar com a sua família ou com os teus melhores amigos. Lembra-te, ter relações sociais positivas é um dos factores que mais contribui para a felicidade. 

8 - Aproxima-te e convive com pessoas optimistas 
Está provado que as emoções são contagiosas, pelo que é muito fácil começar a pensar negativo se estiveres rodeado/a de pessoas pessimistas. Começa por isso a relacionar-se com pessoas alegres e que encaram a vida com optimismo. Para perceberes melhor o efeito dos outros na tua vida, lê o post "Como as pessoas à sua volta, influenciam a sua felicidade".

9 – Perdoa 
A raiva e o ressentimento prejudicar-te-ão mais a ti do que à pessoa que te ofendeu. Toma a decisão de perdoar com o objectivo de te libertares dessas emoções negativas. Isto não significa que irás esquecer o que se passou, ou que terás de conviver com quem te magoou. Significa sim, que tomas a decisão de seguir em frente e de deixar de remoer no assunto. 

10 – Aprende a lidar com os teus problemas 
Todas as pessoas têm problemas na vida. Opta por lidar com eles, como as pessoas mais felizes o fazem: concentrando-te na busca de soluções e mentalizando-te de que com o tempo tudo passa. De qualquer modo, se quiseres saber mais detalhes sobre como fazê-lo, lê o post "Como lidar com os seus problemas".

11 – Aprofunda a tua espiritualidade

As pessoas com uma vida espiritual activa têm tendência a ser mais felizes. Conversa com Deus, agradece as Suas bênçãos e desabafa nos momentos menos bons. Inclui a oração ou a meditação na tua rotina, lê livros associados à espiritualidade, ou se preferires, envolve-te nas actividades de uma igreja. Podes encontrar mais sugestões no post "Como a espiritualidade te pode fazer mais feliz".

12 – Cuida do teu corpo e da tua mente 
É difícil ser feliz num corpo doente e numa mente transtornada. Dedica algum tempo por dia a cuidares de ti mesmo/a. Pratica exercício físico, tenta dormir o suficiente, tem cuidados de beleza, faz uma alimentação saudável e, não menos importante, aprende a relaxar. 

13 – Contribui para um mundo melhor 


Quando praticamos gestos de bondade, fazemos bem aos outros, e aumentamos a nossa própria felicidade. Por outro lado, quando cuidamos do planeta, sabemos que estamos a contribuir para deixar um mundo melhor às próximas gerações. Assim, envolve-te em causas humanitárias, cuida da natureza e opta por produtos amigos do ambiente, visita um amigo doente, elogia um colega de trabalho... Há tanto que podes fazer!

14 – Sente-te grato/a pelo que já tens de bom 


Por vezes só valorizamos as coisas quando as perdemos. Faz diferente! Reserva alguns minutos do teu dia a pensar, falar ou escrever sobre o que tens de bom, sobre o que de positivo acontece na tua vida. Não te esqueças, a gratidão também aumenta a felicidade. 

««»»

E é tudo. Dá hoje o primeiro passo. Sê feliz!

Fotos: 1.ª jill111; 2.ª libellule789; 3.ª Free-Photos; 4.ª Jen Regnier; 5.ª coco parisienne; 6.ª annca 7.ª jill111.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Pensamento/Lema da semana #393


"A nossa maior fraqueza está em desistir.
O caminho mais certo para vencer
é tentar mais uma vez."
Thomas Edison

Foto: xusenru
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

quarta-feira, 11 de abril de 2018

"Vive a tua Luz" ou um guia para te apaixonares por ti e seres a tua melhor versão

"Vive a tua Luz" da Inês Nunes Pimentel, é um daqueles livros especiais, que nos fazem acreditar que uma vida melhor é possível.

Confesso que à primeira vista, apesar do livro ser lindo por dentro e por fora, não o teria comprado. Pelo simples facto de preferir ler textos que tenham uma base científica (lá está, é apenas o meu gosto pessoal e o já típico cepticismo a vir ao de cima). No livro da Inês, há uma série de ideias realmente comprovadas pela ciência e outras que são mais uma questão de fé. Ainda assim, várias pessoas mo sugeriram. E tendo em conta que já me havia surpreendido com o livro da Rute Caldeira, pensei... porque não?

Comprei-o e de imediato fiquei rendida às imagens e design lindíssimo. Transmite uma paz incrível. Sim, mesmo só folheando.

A Inês conta-nos a sua história. Conta como um acontecimento negativo - a descoberta de uma doença auto-imune - acabou por levá-la a toda uma série de transformações positivas. Relata-nos as aprendizagens e experiências que mudaram a sua vida para melhor, dando-lhe um sentido muito mais profundo. Fala igualmente das alterações na sua alimentação, que a fizeram controlar a doença e sentir-se bem melhor. Pelo meio a Inês fez várias formações (nas áreas de nutrição, saúde holística, yoga, meditação, espiritualidade, coaching e desenvolvimento pessoal). Hoje, com o seu carismático poder de comunicação, partilha esses ensinamentos e, verdade seja dita, dá-nos uma dose extra de auto-estima. Leva-nos a valorizar quem somos e a perceber que temos um papel importante neste mundo. Dá-nos uma incrível motivação para lutarmos pelos nossos sonhos.

O livro vem repleto de imagens lindíssimas,
que transmitem sensações de paz e serenidade.

O livro está dividido em 3 partes, que depois se sub-dividem em vários capítulos. Na 1.ª parte é abordada a questão do amor-próprio. Faz-nos perceber o quão importante é termos amor por nós mesmos/as (não, não é egoísmo!) e dá-nos sugestões para enfrentarmos o medo e gostarmos mais de nós (mesmo com os nossos «defeitos»).

Na 2.ª parte dá-nos sugestões para nutrirmos o corpo, a mente e a alma. Fala de coisas como:
- curar a nossa relação com a comida;
- praticar «mindful eating»;
- nutrir o organismo de forma saudável;
- passos para uma digestão saudável;
- segredos para uma pele radiante e rejuvenescida;
- fazer um detox da mente;
- práticas diárias para a espiritualidade;
- proteger a nossa energia, para que possamos lidar com as mais diversas pessoas e situações;
- importância das técnicas respiratórias;
- importância da prática de um exercício físico que amemos;
- gratidão;
- conexão com a Natureza;
- passos para criarmos uma prática diária de meditação;
- criação de rotinas (matinal e nocturna);
- relações que nos iluminam versus relações que nos esgotam.

A 3.ª parte tem a ver com o nosso propósito de vida. A ideia é ajudar-nos a vencer crenças limitadoras e a sermos a nossa melhor versão, para assim também contribuirmos para um mundo melhor.

Um dos muitos mantras inspiradores.

A autora valoriza bastante o uso de afirmações, pelo que ao longo do livro há várias citações e mantras inspiradores. 

O livro está dividido em três partes:
ama a tua luz, nutre a tua luz e espalha a tua luz.

Outro aspecto bastante positivo, é que a Inês tem vários exercícios ao longo do livro, para aplicarmos na prática aquilo que ela ensina. Entre várias opções, tem exercícios para paramos de nos comparar com os outros, para criarmos uma lista de actividades que nos fazem felizes, para gostarmos mais de nós, etc.

Um dos vários exercícios,
para aplicarmos os ensinamentos do livro na prática.

Contudo, algumas partes do livro suscitaram-me dúvidas. Não sei se acredito, se não, e isto é uma questão da fé de cada um. Tais dúvidas surgem quando a Inês fala da importância de contactarmos com o Universo, de estarmos atentos aos seus sinais, de termos guias espirituais, de que o que pensamos é o que se vai manifestar na nossa existência e que atraímos justamente quem precisamos para aprendermos e evoluirmos. Algumas partes, apesar da Inês não ter atribuído qualquer nome, soaram-me à lei da atracção, que é algo em que tenho dificuldade em acreditar. Mas, lá está, tem a ver com as minhas crenças pessoais. Para grande parte dos leitores isto pode fazer todo o sentido.

Na globalidade, considero-o um livro muito inspirador! A Inês escreve de uma forma, que nos conforta alma e nos dá uma motivação incrível para lutarmos pelos nossos sonhos. Ah! E também para gostarmos mais de nós.

Deixo por último, um excerto com as suas palavras:

"(...) na nossa vida só existem duas formas de viver e tomar decisões:
ou vivemos por amor ou vivemos por medo.
Durante muito tempo, vivi por medo,
até que encontrei uma fórmula mágica,
como que um GPS para a vida dos meus sonhos."

É essa fórmula mágica que a Inês partilha. Vale a pena conhecer!

.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

terça-feira, 10 de abril de 2018

O dinheiro pode fazer-me mais feliz?


Quantas vezes já ouviste ideias contraditórias sobre o dinheiro? Expressões como «o dinheiro é a raiz de todos os males» ou «o dinheiro não traz felicidade» são comuns. Só que, em simultâneo, a sociedade incentiva-nos a lutar por mais dinheiro, mais bens materiais e reconhecimento social. Somos levados a acreditar que quando alcançarmos um certo patamar, ou tivermos adquirido determinado bem material, aí sim, seremos felizes. 

A verdade? Ambas as ideias colidem com o resultado de diversos estudos. A resposta é bem mais simples: o dinheiro não é bom nem mau, é simplesmente um meio de troca. Se este te poderá fazer feliz ou não, só depende de ti! Mais concretamente, da forma como o vais usar. 

Mas o que indicam os estudos acerca da relação entre dinheiro e felicidade?
A investigação nesta área é clara. Quando comparamos os habitantes de países muito pobres, com os dos mais ricos, os segundos são em média mais felizes. Já dentro de um país desenvolvido os mais ricos são mais felizes, mas apenas ligeiramente. Isto porque nem sempre usam o dinheiro da melhor maneira. 

Ter pouco dinheiro pode causar stress, preocupações e infelicidade. Ter demasiado… por vezes, faz exactamente o mesmo! Isto porque, com alguma frequência, o dinheiro é alcançado à custa da vida familiar, da saúde e de uma série de ingredientes essenciais para a felicidade. Acresce ainda o facto de que, quando satisfeitas as necessidades básicas, o seu efeito positivo é relativamente fugaz, devido a três processos psicológicos

a habituação – os efeitos positivos de ser promovido, ganhar a lotaria ou adquirir um objecto muito desejado, desvanecem-se com o tempo e voltamos ao estado de felicidade habitual; 
as aspirações crescentes – as nossas aspirações materiais tendem a aumentar a par do aumento da riqueza. Quanto maior for a diferença entre o que temos e os nossos desejos, maior a probabilidade de nos sentirmos infelizes; 
a comparação social – as pessoas tendem a comparar-se com os outros e para se manterem felizes precisam de sentir que ganham valores semelhantes ou superiores. Por exemplo em países como o nosso, onde existe desigualdade na distribuição da riqueza, o nível médio de felicidade tende a ser menor do que em países mais igualitários - como os do norte europeu. 

O que efectivamente conta é a forma como o gastamos! As pessoas materialistas são, em média, menos felizes do que aquelas que se concentram noutras prioridades. Assim, nos gastos que vão além das nossas necessidades, é preferível investir:

a) mais em experiências positivas do que em objectos - viagens, um curso que te apaixone, um livro sobre um tema que adores, receber uma massagem num SPA, etc. - depende do teu gosto pessoal; 
b) em coisas que permitem economizar tempo, para que este possa ser ocupado com algo que proporcione bem-estar - por ex. quando recorres a serviços externos para limpeza da casa e assim, consegues ter mais disponibilidade para quem amas ou para te dedicares a actividades que te fazem feliz;
c) em acções solidárias - ser generoso com os outros, aumenta a felicidade pessoal. Podes ajudar alguém que necessita ou contribuir para uma causa social, que faça sentido para ti. 

Há ainda que realçar, que há actividades gratuitas ou muito baratas que também nos podem fazer felizes (fazer uma caminhada ao ar livre, tomar o pequeno-almoço numa esplanada solarenga, ver o pôr-do-sol, meditar, fazer exercício físico...). Por isso o dinheiro ajuda, mas mesmo quem tem menos dinheiro tem possibilidade de ser muito feliz.

Em conclusão, sim o dinheiro pode fazer-te mais feliz! Desde que o uses sabiamente.



Fotos: 1.ª nattanan23; 2.ª aliceabc0; 3.ª Kristine Lejniece.  
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Related Posts with Thumbnails